História. Organização militar. "Os fazedores de viúvas de Khador "

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

História. Organização militar. "Os fazedores de viúvas de Khador "

Mensagem por (GM) PJ.Disouza em Qua Jun 03, 2009 5:57 pm

"Os fazedores de viúvas de Khador "



Sentir medo faz parte de ser um soldado. Com tudo que a guerra pode trazer, não há nada como o terror e confusão causados quando um atirador de elite ataca. Mesmo durante a carnificina da guerra, ver um oficial, um companheiro, um irmão, cair sem nenhum aviso pode ser devastador. Os fazedores de viúvas de Khador (Widowmakers of Khador) são batedores e atiradores de elite que podem eliminar oficiais inimigos sem serem vistos ou desabilitar grandes e robustos gigantes de guerra com igual facilidade. O medo e a desordem que eles podem causar a uma distância segura é lendário. Eles são uma das mais odiadas e temidas armas no arsenal khadorano, uma lenda em seu próprio país, usados como exemplos de patriotismo, perícia, e dedicação.

Armas de caça de todos os tipos tem sido usadas pelos militares khadoranos desde que o exército foi iniciado pelo Rei Makaros Tanarovi, o fazedor da promessa (Oath-Maker), primeiro rei de Khador. Era comum para soldados antigos trazerem suas próprias armas de fogo com eles para o serviço. Antigamente "atiradores de elite" eram simples atiradores treinados, usados pelos oficiais para atacar os sentinelas inimigos antes da batalha, e não tinham nenhum posto oficial.

O mais antigo "regimento de atiradores afiados" lembrado foi usado nas semanas decisivas da Primeira Guerra de Thornwood (First Thornwood war) em 510-511 DR. Sob as ordens do Rei Vigor, comandante Zavis Kolov (Kommander Zavis Kolov) requisitou os melhores caçadores e fuzileiros de toda Khador. Em conjunto com um pequeno destacamento de Kossitas (Kossite woodsmen) eles tiveram uma vitoria esmagadora em Upper Thornwood, matando todos os batedores e patrulheiros cygnaranos para preparar a invasão khadorana. Sem seu trabalho, o inimigo teria percebido a massiva formação de gigantes e homens na fronteira. Kolov dividiu os fuzileiros e kossitas em pequenos times para tirar vantagem da precisão e furtividade. Isto era desconhecido nos militares khadoranos onde a sabedoria comum da batalha era esmagar o inimigo com força. O sucesso da tática era inegável. Batedores cygnaranos e a milícia de Fellig estavam tão perturbados que culparam a própria Thornwood. Reportes eram ignorados, tratados como loucura ou cansaço. Nenhum fuzileiro foi encontrado e a preparação para a invasão continuou em segredo.

Apesar da derrota de Khador na guerra, os "fazedores de viúvas de Kolov" (Kolov's Widowmakers) foram uma das poucas coisas que funcionaram bem para Khador no conflito. Kolov usou o apelido pela primeira vez em um discurso depois da guerra para as tropas. "Nós não atingimos nosso objetivo. Mas fiquem sabendo de uma coisa; nosso inimigo não é vitorioso. Existem incontáveis viúvas cujo choro lembra os sulistas o custo de enfrentar o poder de Khador. Tenham orgulho disso, meus fazedores de viúvas..." O nome tem sido usado desde então.

Este novo tipo de esquadrão furtivo se encaixou perfeitamente para a "nova Khador" enquanto o rei lambia suas feridas e reconstruia o exército. Quando um novo rei foi coroado, os líderes militares começaram a construir um plano para uma unidade contínua dedicada a tiros precisos, furtividade, e sobrevivência. Em 518 DR os Widowmakers estavam completamente aprovados e operacionais.

Recrutados de todas as patentes e divisões dos militares, os Widowmakers atuais são treinados em Volningrado na Kolov Academy. Oficiais indicam aqueles soldados ou estudantes que mostram talento excepcional em tiros precisos. É uma grande honra ser escolhido para este serviço de elite-a entrada nos Widowmakers é limitada à cento e cinquenta estudantes por ano. Se eles são aceitos, os novos recrutas irão passar os próximos doze meses em um rígido treinamento separado do resto do exército.

Nenhuma das cerimonias e pompas normais é práticada na Kolov Academy. Todos os recrutas são tratados iguais, sem nenhum privilégio para antiga patente ou posição social. O programa na academia é focado em transformar recrutas não apenas em fuzileiros capazes e sobreviventes, mas sim em inquestionáveis soldados dispostos à eliminar qualquer alvo, incluindo outros khadoranos, se assim ordenados.

Recrutas são divididos em times de quatro homens com cinco times designados para um único capitão experiente que serve como seu treinador até a graduação. As semanas iniciais são gastas em constante treinamento físico e ensinamentos de doutrina, deixando a base do que irão seguir. De aprender sobre fabricação de gigantes de guerra para descobrir seus pontos fracos, até rastrear capitães através da neve, os recrutas irão ganhar as habilidades que irão permitir que eles sobrevivam. Este segmento do treinamento começa a fundamentar o conceito de eles são os melhores dos melhores, uma linhagem a parte do resto dos militares khadoranos.

Depois das semanas iniciais, os recrutas progridem para um treinamento mais direto respeitando a perícia com tiro e concentração. Recrutas precisam aprender a atirar precisamente sob todas as condições. Os capitães irão conduzir exercícios de tiro em todos os tempos, adicionando fumaça, barulho, falta de sono, e até mesmo outros recrutas se movendo na linha de fogo. Aquisição do alvo, respiração adequada, e posicionamento também são ensinadas. Isto desenvolve a paciência do Widowmaker, e a habilidade de se focar no alvo e excluir todo o resto.

O treinamento anterior é suplementado pela competição com os outros quatro times. Com cada esquadrão tentando superar os outros em exercícios como treino com rifle, prática de alvos, e testes de resistência. Esta competição é alimentada pelos capitães e dita o tom nos próximos meses na academia. Como incentivo estão rações extras, cartas para casa, e precioso tempo de descanso. Esquadrões que se distinguem são recompensados. Aqueles que falham sofrem.



A arma usada pelos Widowmakers modernos é um Vislovski Hunting Rifle (Rifle de Caça Vislovski) modificado. O pino, tranca, e componentes de abertura foram feitos facilmente substituíveis para rápidos reparos em campo. A adição de uma mira customizada e de um cano de rifle mais longo ajudam a aumentar o alcance e a precisão em comparação com o rifle de caça khárdico padrão. Widowmakers podem fabricar sua própria munição em campo, capazes de criar vários tipos de cargas e munições de acordo com o alvo e as condições. Cada arma é modificada pelo dono e é seu bem mais valioso. Durante o treinamento, a pena por derrubar a arma de alguém ou outros descuidos é a morte.

Não somente o atirador é desenvolvido, essa é a parte do treinamento onde as táticas de efetivamente atirar em gigantes de guerra é introduzida. Gigantes pesadamente protegidos são difíceis de derrubar com tiros normais de armas. Os Widowmakers estudam e praticam para adquirir conhecimento sobre o funcionamento e fabricação desses construtos, aprendendo a se focar em sistemas específicos. É um requerimento para graduação de cada time desabilitar um gigante de guerra carregado e pronto para a batalha antes que este os alcance. Não só o sucesso é um requerimento, muitos estudantes perderam suas vidas por causa de posições de tiro ruim ou hesitação por causa da pressão.

Botar gigantes de guerra abaixo com tiros de rifle é apenas uma das funções esperadas dos Widowmakers. Reconhecimento, patrulhamento de fronteira para se livrar de espiões avançados, e até mesmo a prática de matar soldados feridos para evitar sua captura também fazem parte do cardápio. A disciplina da academia é usada para endurecer os recrutas para estarem preparados para seguir ondens sob qualquer condição. Um recruta culpado por violar as regras ou por insubordinação é executado por um esquadrão de fuzilamento composto por seu próprio time. Todo Widowmaker é preparado para eliminar qualquer alvo ao comando de seu capitão, sem perguntas.

Enquanto o ensino de doutrina continua e os treinos de precisão de tiro aumentam, os estudantes são apresentados aos conceitos e táticas de furtividade, rastreio, e camuflagem. A habilidade de não apenas se manter em silêncio e sem ser detectado, mas também de se reposicionar em silêncio e cobrir os rastros são testadas ao máximo. Em um exercício conhecido como "o coelho e o cão" ("Rabbit and Hound") os recrutas precisam evitar dois dos treinados cães vigias da academia enquanto circundam o prédio. A enfermaria é geralmente cheia daqueles que falham em alcançar as melhores posições para escapar.

No sexto mês de treinamento, os exercícios de campo começam. Times recebem tarefas de perseguição e captura dos times adversários nas florestas que cercam a academia. Embora não usem munição de verdade, os times podem usar qualquer metodo não-letal que eles possam pensar para bater os outros times. Improvisação e criatividade são incentivados.

Na última semana, no coração do inverno khadorano, os times de recrutas são levados para localizações remotas, separados uns dos outros. Eles são despidos de seus sobretudos e botas, e não é dado nenhum tipo de equipamento ou comida, simplesmente é dito à eles para retornarem à Kolov Academy. O que não é dito é que eles serão seguidos pelos capitães, e duas unidades de Widowmakers veteranos que irão tentar impedir seu avanço. Todas as perícias de sobrevivência e condicionamento serão postas a prova. Os doze primeiros times que chegam ao portão obtem a graduação; os outros são dispensados, retornando ao exército regular em desgraça. Patentes anteriores não são restauradas e eles são geralmente transferidos para postos remotos e desagradáveis para completar seu serviço obrigatório.

Menos de cinquenta por cento dos estudantes de cada ano irão se formar no programa. Após a graduação, eles recebem uma patente e são transferidos para um contingente de Widowmaker em campo ou para um novo capitão promovido. Embora eles estejam submetidos a hierarquia militar, a divisão é no fim liderada e mantida pelo Widowmaker Command em Volningrado, cujo comandante responde ao alto comando (High Kommand). Uma vez designado, os Widowmakers segregam à sim mesmo do resto das forças; mantendo dormitórios separados e jantando juntos. Eles são equipados diretamente por Volningrado quando possível, permitindo um padrão mais alto de suprimentos e rações. É dito entre os oficiais que os Widowmakers merecem o que eles ganham.

Quando não existem conflitos abertos, as unidades de Widowmakers são utilizadas geralmente em reconhecimentos; investigando as defesas dos potenciais inimigos de Khador. Isto também envolve patrulhas ao longo da fronteira para interceptar espiões e traficantes, suplementando as forças da fronteira em lugares onde grande número de tropas não podem ser alojadas. Isto também pode estender missões clandestinas para o interior de outras nações.

Em tempos de engajamento mais ativo, unidades de Widowmakers são unidas com divisões para agirem como batedores avançados, interromper linhas de abastecimento inimigas, e eliminar oficiais inimigos o mais breve possível durante um encontro. Muitos generais irão colocar os Widowmakers na frente do corpo principal, segurando-os até que o inimigo esteja distraído pelo conflito à seguir. Uma vez engajados, alguns tiros bem dados de uma posição escondida podem destruir a estrutura de comando e desmantelar os planos de batalha. Esta é a hora em que o treinamento em destruição dos gigantes de guerra dos Widowmakers pode enfraquecer o inimigo antes da batalha começar. No pior dos cenários, os Widowmakers cobrem a retirada. Eles podem derrubar perseguidores, impedir que suas tropas sejam capturadas, e desaparecer apenas para reagrupar e atacar novamente.

Em 605 DR, quando a invasão de Llael começou, os Widowmakers foram chamados para manter o avanço do exército principal em segredo. Llael tinha postos avançados e torres de sinalização ao longo da fronteira noroeste de Redwall até Merywyn, com o objetivo de alertar a capital e seus aliados cygnaranos de qualquer força se movendo pela região. Durante as primeiras horas do conflito, os atiradores dos Widowmakers já tinham silenciado todos os sete postos avançados.

Ainda mais notáveis durante a invasão de Llael foram os feitos da Kapitan Natalya Naryski. Uma das mais famosas Widowmakers, seu time de quatro homens imobilizou a tropa inteira de vinte homens da Elsinberg Tower por dois dias. Chegando antes do planejado, os tiros de rifle de seu esquadrão impediram que a notícia chegasse a Merywyn e garantiu tempo suficiente para que a força principal chegasse.

Os Widowmakers continuam a ser parte integrante das táticas militares khadoranas, e operações raramente acontecem sem seu suporte. Eles foram a chave não apenas na ocupação de Llael, mas nas batalhas subsequentes de Thornwood (Thornwood battles). Recentemente eles têm sido vistos em ação nas fronteiras de florestas perto de Corvis e Cabo Bourne. O alto comando (High Kommand) têm orgulho dos Widowmakers como uma impressionante e efetiva ferramenta de terror, assassinato, e controle do campo de batalha.

* Original em steammakers

_________________


" A Mekâmica é algo que flui em minhas veias como a magia "
avatar
(GM) PJ.Disouza

Mensagens : 132
Data de inscrição : 03/06/2009
Idade : 31
Localização : Teresópolis ( Khador )

Ver perfil do usuário http://noburacodamaldade.blogspot.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum